Segredos da Antiguidade

Cada memória carrega consigo um aprendizado que pode corresponder a um ensinamento para se passar adiante e, assim, perdurar pela passagem dos anos como uma linha de eventos de realidades paralelas, sem as quais não nos compreendemos conscientes de nós mesmos no mundo.

Essa percepção de si está presente na história do conhecimento humano desde os primeiros registros gráficos. Forma uma base a uma interpretação de realidade de mundo sem a qual as civilizações da Antiguidade não teriam seus grandes centros de produção de saberes a título de crença a respeito do quê redigiriam leis e construiriam impérios.

E esse é assunto da primeira e da segunda partes de “Estados de civilidade: uma história sobre tecnologias”, para se chegar a um entendimento de um capital subjetivo em que se alicerça a criação das culturas em torno de seus atores, partícipes, à interpretação de seus papéis sociais, em castas, em classes ou em categorias funcionais, que é assunto da terceira parte do livro, clique e confira:

A escrita, como tecnologia, ‘é um método para armazenar informações por meio de símbolos materiais’, e, por isso, ampliou exponencialmente o campo dos conhecimentos humanos sobre o ambiente, colocando o ser humano numa dimensão subjetiva com uma fonte de informação maior: (…). p. 88

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Sobre o autor

Sou pesquisador independente com formação bacharel em Letras, atuando como escritor, editor e produtor de conteúdos web, especializado em Planejamento e Gestão Estratégica, com Docência ao Ensino Superior e Educação à distância (EAD). Sou autor de "Estados de civilidade: uma história sobre tecnologias" (artigos); "Cartilha de Jack & Janis - Uma sátira da vida conjugal moderna" (novela) entre outras publicações.

Você também pode gostar:

Comente abaixo o que deseja acrescentar:

2017-2021 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Egídio Mariano | Boas vindas ao artesfatos.com